MATÉRIAS

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015



Quando os Noivos deixam o ninho...

Certa vez, conservando com a mãe de uma Noiva, ela comentou que o sofrimento maior no casamento de sua filha foi no momento que ela começou a levar todas as roupas do armário.

Ela contou o quanto foi sofrido esse dia e o quanto foi difícil se fazer de forte como se tudo isso fosse natural, mas não conseguiu.

Ela desabou!

E agora? Como seria aquele quarto vazio?

O silêncio das conversas entre mãe e filha, ou até mesmo entre mãe e filho, pois esse sentimento não é diferente, sendo homem ou mulher.

O jantar à mesa ficaria reduzido com a falta da menininha do papai e a cama estaria sempre arrumada.

Até aquele momento, eu não tinha atentado para esse sentimento que tanto abalava os pais.

Eu tenho apenas um filho e, graças a Deus, ele já está casado há seis anos, mas eu não vivi o drama do ninho vazio.

Ao contrário de muitas mães, eu tive o privilégio de ganhar uma filha que veio preencher e alegrar nosso ninho.

É importante que os Noivos pensem nesse momento e façam os movimentos com mais cautela e sensatez.

Não importa a sua independência financeira, o sofrimento dos pais será o mesmo.

O importante é começar a retirar aos poucos alguns cabides, com um espaço de tempo maior, e, se possível, colocar em mochilas para que as mães não observem.

É interessante que alguns trajes continuem nos cabides do armário e que não sejam levados.

Será uma forma de manter a sensação da sua presença e aquele característico cheirinho dos filhos amados.

Em maio de 2016, farei o casamento de uma Noiva que é filha única e eu já estou imaginando como será esse momento.

Ela já me contou que a sua mãe pediu que ela não desfizesse o armário.

Vocês podem imaginar que as lágrimas já estão rolando.

Fiz um casamento que o Noivo chamava-se Vinicius (o mesmo nome do meu filho) e também era filho único. Nós conversávamos bastante e ela narrava como seria o momento de vê-lo seguir a sua própria vida ao lado de sua esposa.

No dia do casamento, quando ele a abraçou e os dois choraram muito, eu também chorei, imaginando como seria o meu ninho vazio.

Algumas pessoas podem imaginar que tudo isso é uma besteira e que os pais devem estar preparados para esse momento.

Não. Não é bem assim que os sentimentos são avaliados.

Segundo o relato de uma Psicóloga: a tristeza presente nessa síndrome vem acompanhada pela ausência de objetivos e pode transformar-se em depressão.

Nada vai substituir a saída dos filhos, mas é preciso entender que a fase da vida mudou, e se a pessoa não buscar outras fontes de prazer ela pode desenvolver muitas doenças.

Não é para ignorar os sintomas mas, sim, aceitar a dor, aceitar a saída dos filhos, se adaptar a essa mudança e dar novo sentido à vida.

Alguns psicólogos pedem até que adotem cães para preencher o vazio de sua vida.

Vejam como esse assunto é delicado e sério.

Imagino que muitas pessoas jamais pararam para pensar nisso, nem olharam para os pais com esse conhecimento.

Foi pensando em tudo isso que resolvi escrever esse artigo e dividir um pouquinho de tudo isso com vocês, cerimonialistas, amigos e pais.

Algumas mudanças no comportamento dos pais, no decorrer da organização do casamento, têm muito a ver com tudo isso.

Sou mãe.
Sou profissional.
Sou sentimental.

Sou Fatima Ziegler.

Professora de Protocolo, Etiqueta e Postura
Cerimonialista de Casamentos
21 - 22342943 / 987263276
E-mail - fatimaziegler@outlook.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário